mar
7

Nova lei – Imóvel

Desde 20/02/2017, o comprador de um imóvel poderá saber se o bem ou seu proprietário estão envolvidos em alguma ação na Justiça que possa complicar a situação do negócio. Entrou em vigor a Lei 13.097/2015, que determina que todas as ocorrências relacionadas ao imóvel ou seus titulares devem ser lançadas na matrícula.

Segundo a lei, devem estar presentes na matrícula do imóvel informações como ações reais ou pessoais reipersecutórias, constrições judiciais, ajuizamento de ação de execução ou de fase de cumprimento de sentença. A nova lei deixa sob a responsabilidade do credor a adoção de medidas protetivas de seus interesses.

 

lei

Menos burocracia

Até agora, a compra de um imóvel envolvia consultas a cartórios e consultas judiciais para saber se a casa estava envolvida em alguma disputa judicial. Com a informação na matrícula do bem, o tempo para transmissão de propriedade deve cair em até 20%, de 25 dias para 20 em média, em estimativa do Banco Mundial.

Atualmente, dependendo as características do vendedor (por exemplo, se ele trabalha em uma cidade, mora em outra e o imóvel está situado em uma terceira cidade), são necessárias pesquisas em ao menos três comarcas diversas para saber se há ações na Justiça que possam afetar o imóvel.  Com a nova lei em vigor, somente poderão afetar o comprador os fatos que já estiverem lançados na matrícula no momento da compra — já que haverá ciência por meio da certidão da matrícula do imóvel. O que não constar da matrícula não poderá recair sobre o comprador, que será considerado terceiro de boa fé.

“Esse incremento no modelo brasileiro provocará impacto positivo no mercado imobiliário, na medida em que reduzirá o custo transacional, seja aquele relacionado ao valor para obtenção de informações, seja no tempo e energia gastos atualmente para isso”, comenta Patrícia Ferraz, diretora da Anoreg-BR.

Fonte: Conjur

fev
2

Como valorizar apartamentos pequenos?

A decoração é uma grande aliada para “aumentar” imóveis pequenos e valorizar ambientes.

Seguem algumas dicas para você que já mora ou pretende morar em um apartamento menor:

  1. A escolha da paleta de cores é de extrema importância, tons escuros fecham os ambientes e dão a sensação de que são menores ainda. Opte por tons claros e neutros para as paredes principais. Deixe os tons escuros para os adornos e detalhes.
  1. Sempre que possível integre os ambientes, como a cozinha americana integrada à sala, ou salas e quartos ampliados para varandas. A iluminação e ventilação aumentam, e a sensação de amplitude também.

 

  1. Espelho são muito bem vindos, principalmente aqueles mais “cleans”. Quanto menos informação melhor, prefira os sem molduras e menos rebuscados. Os espelhos ampliam muito os ambientes. Mas não precisa exagerar, escolha uma ou duas paredes em cada cômodo no máximo.
  1. E sempre vale a regra do “menos é mais” quando o assunto é móveis e adornos. Não polua os espaços com muita informação, pois isso pode fazer com que pareçam ainda menores, às vezes pode dar a sensação de bagunça e desorganização.

 

 

  1. Por falar em organização, os móveis planejados são uma ótima opção para esses espaços pequenos. Mas mesmo sendo planejados temos que tomar cuidado, às vezes as pessoas acabam querendo encher a casa de armários por falta de espaço, para guardar as coisas. Para o ambiente não ficar claustrofóbico utilize alguns elementos vazados como nichos e prateleiras para dar leveza aos móveis.

 

 

Escrito por Barbara Nobre – Formada em Design de Interiores pelo Instituto de Arte e Projeto (INAP) e em Design de Produto pela FUMEC. Barbara Nobre é parceira da Vendere Imóveis e oferece descontos exclusivos em projetos para nossos clientes.

Entre em contato e agende uma visita:

Barbara Nobre – (31) 2531-0533

Av Cristiano Machado, 1682 – Sl. 1104
Cidade Nova, Belo Horizonte/MG
CEP: 31.170-024

 

 

jan
9

Incêndios – Seguro residencial

             Nos últimos 2 meses, três apartamentos pegaram fogo no Bairro Villa da Serra, em Belo Horizonte, causando um grande prejuízo aos moradores, alguns somam mais de R$1.000.000,00 de prejuízo. Alguns moradores costumam ter seguros residenciais mas o mais comum é não se preocuparem com isto.  Na maior parte do país, segundo dados da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), dos cerca de 68 milhões de domicílios brasileiros, apenas 9,1 milhões contratam a proteção residencial. No caso de carros a procura é bem maior.  Nesta conta não estão incluídas as apólices que os condomínios são obrigados a contratar que têm cobertura básica. Significa que, em caso de incêndio, raio ou explosão, o morador será ressarcido em valor suficiente para reconstruir o apartamento em suas condições originais. Melhorias, móveis, equipamentos e danos causados por outras razões não são cobertos. O morador pode contratar coberturas adicionais, como roubos e furtos, danos elétricos e responsabilidade civil familiar.

Imagem pixabay.com

O síndico é o responsável por contratar e manter o seguro condominial, mas todos os moradores devem ser informados das coberturas incluídas na apólice para, se quiserem, contratar seguro complementar para seus bens. Entenda sobre:

Seguro de condomínio: É obrigatório por lei (artigo 1.346 do Código Civil), e protege as áreas comuns e estruturais.

Seguro residencial: É facultativo. Não corresponde ao valor  do imóvel, mas ao de reconstrução da propriedade.

Cobertura básica: É a proteção contra incêndio, queda de raio e explosão.

Coberturas adicionais: Protegem contra roubos e furtos, danos elétricos, inundação, responsabilidade civil familiar, vendaval.  Podem cobrir móveis, eletrodomésticos, obras de arte. Cada uma gera um custo.

E os preços? Variam de acordo com o tipo de construção, incidência de danos e cobertura. A média é de R$ 250,00  por ano para um imóvel de cerca de R$ 200 mil.

Faça agora mesmo sua cotação conosco e saiba qual o melhor seguro para proteger-se.

Contato: (31) 3044-6111. http://www.bhlife.com.br

 

jan
2

Varandas Goumert

Varandas são um ponto super positivo no apartamento, se for uma varanda gourmet então nem se fale, não é mesmo?

 



               As varandas podem ir muito além de um espaço aberto para aumentar a circulação de ar e entrada de luz natural. Cada vez mais valorizadas na escolha de um imóvel, elas podem ser um local delicioso para receber, ter um tempo com a família e relaxar.

 

Mas as queridinhas do momento têm sido as varandas gourmets, que além de integrar a sala de estar, se transformam em um local para deliciosas experiências gastronômicas. Você pode ter uma varanda gourmet que realmente seja funcional, inserindo bancadas, churrasqueiras, cooktops ou, simplesmente, colocar uma adega, cooler e locais para refeições menores. O importante é deixar o local charmoso, aconchegante e com a cara do proprietário, personalizando ao máximo esse cantinho.

 

 

Vale chamar atenção para o tipo de materiais e mobiliários que podem ser utilizados nesse ambiente. Caso opte por fazer um fechamento de vidro – as cortinas de vidro têm sido extremamente eficientes nessas situações, não tem tanto com o que se preocupar, e a escolha pode ser de acordo com os móveis utilizados nas salas. Mas, se a varanda for ficar mais aberta e exposta ao tempo, deve-se escolher peças e revestimentos próprios para área externa. E, independente dos fechamentos, é sempre bom colocar uma proteção contra o sol.

Ah! Não se esqueça de conferir as regras do condomínio antes de executar o projeto para não interferir de forma indevida nas fachadas e estruturas do edifício.

 

Escrito por Barbara Nobre – Formada em Design de Interiores pelo Instituto de Arte e Projeto (INAP) e em Design de Produto pela FUMEC.

Barbara Nobre é parceira da Vendere Imóveis e oferece descontos exclusivos em projetos para nossos clientes.

Entre em contato e agende uma visita:

Barbara Nobre – (31) 2531-0533

 Site – Barbara Nobre

Facebook Barbara Nobre

Av Cristiano Machado, 1682 – Sl. 1104
Cidade Nova, Belo Horizonte/MG
CEP: 31170-024

dez
9

Você sabe quais são as responsabilidades legais ao se tornar síndico?

O controle financeiro, a administração  e o seguro são alguns dos itens os quais o síndico é responsável, mas não param por aí, existem nove tópicos descritos no Novo Código Civil que está em vigor desde 2003 pela Lei 4.591/64. Além do trabalho essencial, que é o controle financeiro, o marinheiro de primeira viagem precisa se inteirar sobre a legislação e convenção interna fazendo o possível para o bom funcionamento do edifício. Com os devidos cuidados, é possível superar o período sem grandes traumas. Uma alternativa que tem sido muito usada é a contratação de síndico profissional. O problema é que em prédios mais antigos, com poucas unidades, geralmente não têm condição de arcar com o valor desse serviço. Alguns contratam contadores para ajudar na administração e pagamentos de contas, o que pode evitar uma das principais causas de processos judiciais a má administração, outro motivo que gera ações nessa situação são atos ilícitos. É muito importante que o síndico saiba exatamente quais são suas responsabilidades e limites.

síndico

Outra coisa muito importante e obrigatória é que o síndico contrate um seguro que cubra toda a edificação contra o risco de incêndio ou outro evento qualquer, que possa causar destruição total ou parcial das instalações seguradas. O síndico, de acordo com a mesma lei, responde ativa e passivamente, em juízo ou fora dele, por qualquer inadequação ou insuficiência de seguro constatada. Uma vez que a legislação não especifica que outros eventos devem ser segurados além de incêndio, deixando vaga a definição das coberturas obrigatórias, deve-se contratar um seguro que garanta todos os eventos a que o condomínio esteja efetivamente sujeito, entre os quais destacamos: raio, explosão, queda de aeronaves, danos elétricos, vendaval, impacto de veículos, quebra de vidros, roubo, e os seguros de responsabilidade civil do condomínio, síndico, dos portões e veículos.

 

 

 

nov
28

Tendências 2017 Cloud Computing

Estudos do Gartner apontam que em 2017 os investimentos das empresas brasileiras em Cloud devem chegar a US$ 4,5 bilhões, e até 2020 devem atingir US$ 20 bilhões. Para tal, jogadores de peso no mercado de Cloud Computing já estão presentes no Brasil, como Amazon (AWS), Microsoft e IBM, e em 2017, Google e Oracle prometem presença em território nacional – afinal todos querem a sua fatia no mercado, e concorrem ferozmente com ofertas de empresas brasileiras. Mas porque esta tendência do mercado em migrar para modelos de TI na nuvem?

O mundo mudou. Se tornou totalmente digital, exigindo produtos cada dia mais interligados via internet, com rapidez quase instantânea, qualidade e preços competitivos – por isso, é indiscutível que em qualquer empresa, a tecnologia se tornou a base da sua operação, da produção e do atendimento aos seus clientes. Mas, em paralelo, hardware e software se tornaram os vilões de gastos em propriedade e manutenção, que só tendem a aumentar drasticamente ano a ano.

Isto gerou, nos últimos 5 anos de forma nunca vista, uma tendência mundial das empresas a migrar para ambientes em nuvem para atender este “mundo novo”, se preocupando com seu negócio e não com a tecnologia e nem com sua manutenção.

cloud-computing7-1940x1419

Esta tendência finalmente se tornou uma realidade no Brasil: atualmente, devido a pesados investimentos em telecomunicações, a comunicação pela internet finalmente deixou de ser um fantasma e a oferta de ambientes na nuvem, de forma massificada por empresas multinacionais e nacionais, tornou a oferta de mercado viável financeiramente.

O que há alguns anos nem se imaginaria por parte das empresas brasileiras – que sempre foram extremamente conservadoras e céticas a ambientes externos em TI -, hoje se tornou necessária devido a alguns fatores básicos de mercado. Dentre eles, o principal é a atual situação econômica, levando as empresas a repensarem suas estratégias e romperem paradigmas para atingir a velha e batida estratégia de redução de custos, mas com melhor qualidade.

A segurança e confiabilidade dos ambientes de TI na nuvem também são um fato. Os investimentos em verdadeiras cidades de concreto, que contêm um oceano dos mais modernos hardware existentes, com os mais avançados sistemas de segurança virtual e física, são construções que espalhadas pelo mundo garantem a realidade da cloud computing. Ambientes que as empresas jamais conseguiriam adquirir e manter, agora são compartilhados com segurança, redundância, e manutenção a um custo dividido. Baseados nestes ambientes, assistimos ao crescimento desmedido de redes sociais, softwares para comunicação, notícias do mundo inteiro em tempo real, jogos on-line, e recentemente até bancos totalmente digitais sem agências.

Uma premissa que sempre vale recordar é que a realidade de migrar para novas tecnologias não é tão simples quanto parece. Por este motivo, se munir de informação e uma consultoria realizada por profissionais qualificados, com experiência no assunto, é sempre uma ótima prática para evitar transtornos futuros, e selecionar a melhor oferta e mais qualificada para seu negócio.

Agora os mundos virtuais não são mais ideias futuristas: são uma realidade. Assim as empresas vão migrar para melhorar sua oferta e performance para um público cada vez mais digital e exigente. As empresas também se tornarão mais eficazes e competitivas, a um custo com baixíssimo investimento, onde a Cloud Computing é a luz no final do túnel.

Por *Julio Mejías

Fonte: computerworld.com.br

out
5

Susep decreta liquidação extrajudicial da Nobre Seguradora

Decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira

Portaria assinada por Joaquim Mendanha de Ataídes, superintendente da Superintendência de Seguros Privados (Susep), determina a liquidação extrajudicial da Nobre Seguradora. A decisão, emitida na segunda-feira, foi publicada na manhã de hoje pelo Diário Oficial da União.

Liquidação extrajudicial afeta corretores e segurados

A companhia enfrenta regime de direção fiscal diante da situação de desequilíbrio financeiro da empresa desde abril, segundo informou, em nota, a Susep. “A medida se constitui num instrumento legal da Superintendência, fazendo parte do seu rol de ações preventivas, que visam a melhoria da situação das empresas e não está necessariamente vinculado a problemas graves”, informou a autarquia à época da intervenção.

A seguradora estava operando normalmente, efetuando o lançamento de produtos e honrando todos os compromissos assumidos. A notícia da liquidação extrajudicial, como aconteceu recentemente com a Confiança Cia. de Seguros, pegou o mercado e os diretores da empresa de surpresa.

O servidor Pedro Paulo Pereira Mota será o liquidante da companhia. Mota terá o auxílio de Estevão José Mao Lisauskas e Fabiano D’Angelo de Donato, que exercem as funções de assistente e substituto eventual da liquidante.

Os clientes da Nobre seguradora serão avisados por todos os corretores da BHLife como ficará a situação de cada apólice. Maiores informações: http://www.bhlife.com.br

Fonte: Revista JRS

set
30

Terceirização deve ser percebida como serviço de alta performance, que carrega experiências consolidadas e pode transformar resultados

Quem tem seu próprio negócio e depende do esforço de cada um da equipe para garantir aquela tão suada margem financeira sabe o que é desejar que seus funcionários tenham a tal “dor de dono”.

Entendendo a importância determinística da qualidade em seus serviços, grandes empresas estão repensando as estratégias de insourcing e outsourcing, buscando assegurar que os clientes receberão a qualidade conforme as expectativas geradas no momento da venda, independente do modelo de contratação da força de trabalho.

Uma das lições de Jim Collins, um dos mais respeitados pensadores do management mundial, é que “A habilidade executiva número um é escolher as pessoas certas e colocá-las nas posições certas”.

A contratação de um BPO (Business Process Outsourcing) tem em sua essência a cultura de alta performance operacional, onde as pessoas certas, experts e com vivência em diferentes matérias, com o melhor ferramental, capacidade de automatizar os processos e geridas de forma extremamente ágil, certamente devem continuamente extrair os melhores resultados.

É fundamental também que um BPO consiga atuar como um elemento acelerador da transformação dos processos de negócios tradicionais em digitais. Altíssima expectativa, que nem sempre se concretiza.

A BRInfor está pronta para administrar toda sua infraestrutura de T.I. através de nosso contrato de Outsourcing.

Entre em contato com nossa equipe comercial para maiores informações: 31-3324-2900 ou www.brinfor.com.br

Fonte: Computerworld

ago
26

Fraudes em seguros

No momento em que se discute a ética nas relações, devido ao momento político que vivemos, vale o alerta que o famoso “jeitinho brasileiro” pode muitas vezes ser crime. Ele tem sido usado por anos contra seguradoras – pessoas e empresas tentam encontrar maneiras de acionar os seguros a fim de obter ressarcimentos, indenizações ou omissão do pagamento de franquias em benefício próprio. Quando isso fere situações previstas no contrato com a seguradora ou há comprovação de alteração do fato gerador do sinistro, configura-se uma fraude. Segundo uma pesquisa realizada pela CNSeg, em 2012, as fraudes comprovadas custaram às seguradoras brasileiras o déficit equivalente a R$ 341 milhões.

Já se identificou que a frequência do ato se repete nas seguintes situações: simulação de roubo de veículos, inversão de culpa nos acidentes de trânsito (quando o culpado pelo acidente não possui seguro), agravo do sinistro para fugir do pagamento de franquias, taxações indevidas nos orçamentos de oficinas e omissão ou alteração de informações no ato de contratação de seguros.

fraude

Identificar fraudes é um processo que as seguradoras de todo o mundo têm se especializado para conseguir capturar as mentiras contadas pelos fraudulentos. Além de desonesto, este é um processo que acaba saindo bem mais caro para o indivíduo que tenta fraudar seguros quando descoberto.

Conheça os hábitos mais comuns para fraudar seguros:

  • CEP de circulação e de pernoite: o indivíduo altera o CEP referente a região onde atua e circula, uma vez que existe variações entre valores de sinistros conforme áreas. Por exemplo, alguém registra o CEP do local de trabalho como residencial, porque a região é mais barata e o custo do seguro é menor.
  • Alteração de provocador de acidentes: altera-se a responsabilidade do provocador do acidente, uma vez que quem bateu não possui seguro. Esta situação acontece na grande maioria das vezes quando as partes prejudicadas firmam o acordo entre si, onde o responsável pela batida paga a franquia daquele que possui seguro, já que o custo da franquia se torna menor que o do conserto.
  • Acordos com oficinas: pede-se que batidas antigas sejam concertadas junto com as mais atuais, ou que, o dono da oficina justifique um valor maior para o concerto, para que ambas as partes possam receber determinada quantia disponibilizado pela seguradora.
  • Condutores de carro: troca dos condutores de veículos na hora do acionamento do seguro, caso o real condutor esteja impedido de dirigir por determinados motivos (menor deidade, não habilitado, após o uso de bebidas alcoólicas, com cartas suspensas). Essas situações são comuns quando menores de idade batem automóveis e seus pais ou responsáveis assumem a responsabilidade pela batida.
  • Seguro de carro clonado: carros que tiveram a placa adulteradas, e são na verdade, veículos roubados ou de desmanche.

Já nos demais seguros:

  • Seguro saúde: tentativa de passar cartões de seguros para que outras pessoas possam utilizar o recurso. Tal fraude é considerada falsidade ideológica. Também há o registro de casos que ao fazer o seguro, o indivíduo omite informações sobre seu estado de saúde atual para que o valor seja mais baixo.
  • Seguro Residencial: Troca de eletrodomésticos, provocação de danos intencionais para que seja acionado o seguro, simulação de arrombamentos e assaltos e alteração de cena do crime.

 

Portanto, diante da situação em que todos nós questionamos nossos políticos quanto a honestidade, justiça e verdade, vale a pena avaliarmos se nós também as praticamos.

 

 

Cotações de seguros e planos de saúde: http://www.bhlife.com.br/cotacao-online/

Cote agora

ago
5

Novo golpe no WhatsApp usa falso pacote de emoticons românticos

Quase toda semana aparece um novo golpe envolvendo a fama do WhatsApp para pegar incautos. Dentre os truques, um que está se tornando comum é enganar os usuários com recursos novos para que eles se inscrevam, sem saber, em serviços de mensagens pagas para remunerar cibercriminosos.

A empresa de segurança digital ESET identificou um novo tipo de golpe nessa linha no Brasil, prometendo um novo pacote de emoticons românticos. O usuário recebe um link falso e é informado que a instalação do pacote requer o compartilhamento da mensagem recebida para dez pessoas ou em três grupos diferentes do app.

Ao realizar a ação, o usuário é direcionado para uma página de publicidade legítima ou para registro de serviços pagos não solicitados.

Para garantir a eficácia do golpe e sua viralização, o sistema usado pelos cibercriminosos utiliza um agente que verifica o navegador do usuário para garantir que o acesso seja realizado a partir de um dispositivo móvel.

Os fraudadores registraram o domínio sob a proteção do serviço Domains by Proxy, que evita a publicação do nome e contatos dos criadores do domínio. Para evitar cair em golpes como esse, recomenda-se usar um app antivírus atualizado; evitar executar arquivos suspeitos; bloquear e denunciar usuários inconvenientes e spam; e claro, desconfiar de promoções enviadas pelo WhatsApp.

Entre em contato com nossos consultores e proteja sua empresa – www.brinfor.com.br